Absoluta

21/03/20 Coronavírus

Entenda a diferença entre o vírus que afeta humanos e o que atinge os pets

O novo Coronavírus que acomete o homem e provoca a COVID-19, não é o mesmo vírus que atinge cães e gatos. O gênero que infecta esses pets é o Alphacoronavírus. Já o que adoece o humano é o Betacoronavírus, com características completamente diferentes.
“Não existem evidências de que COVID-19 infectem os cães, gatos, bovinos ou qualquer outro mamífero doméstico”, afirma a médica-veterinária Mitika Hagiwara.
A informação é reforçada pelo médico-veterinário Eduardo Pacheco. “As pessoas não passarão o vírus para os seus animais e nem o contrário poderá acontecer.” Por isso, se seu cão ou gato aparecer espirrando, por exemplo, pode ser devido a uma alergia ou doença sem relação alguma com o novo coronavírus.

Pets desenvolvem outras doenças
Os animais de estimação, quando infectados por vírus da família Coronaviridae, apresentam outras alterações de saúde.
Os cachorros desenvolvem a alfacoronavirose canina, que atinge a parte gastrointestinal do animal. “Essa doença nos cães não tem nada a ver com o sistema respiratório”, afirma Eduardo, que ainda explica que, no caso dos gatos, o Alphacoronavírus provoca a Peritonite Infecciosa Felina (PIF). “É um processo inflamatório, que debilita o sistema imunológico.”

Vacinas veterinárias são apenas para animais
A questão da vacinação contra coronavírus também é foco de falsas informações. Publicações nas redes sociais dão conta de que vacinas para cães ou para bovinos protegem animais e humanos contra a doença COVID-19. Trata-se de uma inverdade, que coloca em risco a saúde da população e depõe contra a classe veterinária.
“As vacinas para a proteção de cães ou dos bezerros bovinos são comercializadas buscando a proteção desses animais contra a infecção relacionada às espécies e não são licenciadas para uso humano e para proteção contra infecções respiratórias”, explica Mitika. Ela frisa que os vírus entéricos e respiratórios são variantes diferentes do coronavírus e não há relação antigênica entre eles.

Não abandone seu pet!
Houve relatos de abandono de animais de estimação, principalmente na cidade de Wuhan, na China. Isso se deve à falta de informação e à desinformação sobre os esclarecimentos apontados por Mitika e Pacheco.
A médica-veterinária Rosângela Ribeiro Gebara, enfatiza que o abandono de animais é crime, previsto na Lei Federal nº 9.605/98, conhecida como “Lei de crimes ambientais”.
Os tutores devem cuidar bem de seus animais, especialmente nesse momento de crise, orienta Rosângela. “Não há necessidade de isolá-los e ou deixá-los presos. Continuem dando carinho, amor e afeto.”

Na ausência de passeios, brinque
Segundo Rosângela, a questão dos passeios com os cães é um ponto delicado, mas que pode ser contornado. A sugestão é tentar evitar ao máximo uma queda abrupta na rotina do animal, criando atividades dentro de casa ou apartamento, para tentar repor a necessidade dos passeios.
Ela argumenta que, diferentemente do gato, o cachorro gosta muito de rotina. “Sem passeios, os cães também entram em quadros de ansiedade. Então, os tutores devem criar atividades, de por 30 minutos a uma hora, para o animal gastar a energia. Não é a mesma coisa, pois o passeio oferece estímulos olfativos importantes, porém, é uma forma de não deixar a vida do pet tão tediosa dentro de casa.”

Se sair, higienização é crucial
Entretanto, se houver passeio, Pacheco faz um alerta: “Se um cão ou gato tiver contato físico com uma superfície contaminada pelo novo Coronavírus, eles não serão infectado, mas podem carregá-lo para dentro de casa por meio das patas ou do pelo, assim como os humanos carregam nas mãos e objetos.”
Por isso, ao voltar da rua, é preciso fazer a higienização. “Lave as patas deles com água e sabão neutro, da mesma forma como temos que lavar as mãos, para matar o vírus”, orienta o médico-veterinário. Outras soluções são passar antisséptico à base de clorexidina ou álcool gel com pano nas patas e pelos.
Vale lembrar que o vírus tem uma durabilidade no ambiente muito grande em algumas superfícies. No aço inox, ele vive até 12 horas. No plástico, até quatro horas.

Consultas, somente de urgência e emergência
O momento é de reclusão para evitar a disseminação do novo coronavírus e o aumento de casos da COVID-19.
Portanto, as consultas de pets ao médico-veterinário neste período devem ocorrem apenas em casos de urgência e emergência devem ser remarcadas. Clínicas e hospitais médico-veterinários oferecem todas as medidas de segurança e controle, conforme o recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), mas também precisa reduzir a circulação de pessoas em seus espaços.
“Não podemos parar de atuar. Se acontece uma emergência com um pet, como uma fratura ou necessidade de uma intervenção cirúrgica, temos a responsabilidade de estar de prontidão para atuar pela vida deles. É um serviço essencial”, analisa Pacheco.

fonte: CRMV-SP
 


Assine nossa Newsletter













Parabéns Betty Abrahão e equipe pelos 18 anos da Revista Absoluta. Única, imperiosa, suprema e sem restrições assim se faz por ser Absoluta. Um trabalho feito com muito cuidado, seriedade, comprometimento, responsabilidade misturados a alegria e muito amor resultaram nestes 18 anos de sucesso. Felicidades e muita luz em seu coração.
Mauro Contesini, paisagista

Parabéns pela revista! Acabo de conhecer pela internet e gostei muito, belas imagens e textos interessantes. Sou escritora de literatura infanto juvenil e editora aqui na Áustria. Caso precisem de alguma informacao sobre Austria ou Alemanha, por favor me escrevam. Um cordial abraco
Tânia Maria
 

Entre em contato agora mesmo!


Desejo receber as novidades