14/11/17 Amigo improvável

Bichinhos fora do comum para você ter em casa

Ter um bichinho de estimação é o sonho de muita gente. Porém, muitos fazem escolhas um tanto quanto excêntrica. Se você também tem vontade de fugir dos convencionais cachorros, gatos, passarinhos e peixes, listamos alguns pets menos conhecidos, mas que também conquistam o coração dos pet lovers:

Teiú



É uma espécie de lagarto que deve ser criado desde filhote para se acostumar com a presença humana. É um animal doce e tranquilo, com uma dieta basicamente composta por ovos de galinha.


Xoloitzcuintli



Trata-se de uma raça pouco conhecida de cão, também conhecido como Pelado Mexicano. O pet aprecia a companhia dos donos, mas costuma se apegar apenas a um membro da família. Não aceita longos períodos sozinhos e são muito desconfiados em relação a outras pessoas. Também é silencioso, latindo apenas quando necessário.


Fennec



É uma raça de raposa que pode ser criada em casa. A dieta como animal doméstico é composta por ração de gato ou cachorro, verduras e legumes. É um bichinho brincalhão e possui muita energia; assim, é aconselhável ter um espaço aberto para que possa se exercitar.


Furão



É um animal muito dócil que gosta da companhia do dono. São ativos durante a noite e passam a maior parte do dia dormindo. Por isso, além de brinquedos, a gaiola precisa ter uma rede, para as horas de descanso do pet.


Coruja



Muitas das espécies se adaptam facilmente ao convívio humano, sendo fiéis ao dono e mantendo hábitos tranquilos. São animais carnívoros e dever ser alimentados com carne moída ou ratos.


Atenção!
Importante lembrar que algumas dessas espécies precisam de autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (IBAMA) e necessitam de cuidados especiais em casa, por isso, o investimento pode ser maior do que com um animal de estimação convencional. 


Assine nossa Newsletter


























No momento em que Absoluta completa a 100ª edição, transmito minha mensagem de saudação e cumprimentos a Betty Abrahão e a sua dinâmica e qualificada  equipe, que souberam fazer da revista um instrumento agradável de informação, cultura e entretenimento. Um ponto de encontro no desencontro do dia-a-dia, pois como dizia Vinícius, “A vida é a arte do encontro, embora existam tantos desencontros pela vida”. Absoluta, no agitado dia-a-dia de nossos tempos, acabou se transformando em um interlocutor inteligente e sensível, trazendo à sociedade da região metropolitana de Campinas, tudo o que acontece de relevante nas multifacetadas áreas do conhecimento humano e da produção científica. Arte, cultura, lazer, política, moda, gastronomia, viagens, saúde, se conectam para fazer da revista um campo fértil de diversidade, como plural é, ou deve ser, a vida da gente.  Essa conexão tem, contudo uma marca que a distingue de todas as outras revistas e assinala a sua autenticidade como veículo de comunicação. O toque de humanismo e delicadeza que se sente no seu folhear, no perpassar de suas entrevistas e reportagens e especialmente no respeito à memória, quando Betty reproduz, de forma gratificante, parcela da obra de seu tio, o competente e saudoso jornalista, Jamil Abrahão, sob cujas penas e lentes se registraram pessoas e  momentos importantes da vida pública  e privada da terra de Carlos Gomes, Campos Sales e que também é orgulhosamente nossa.  No centésimo aniversário, e cem é um número de consagração, os nossos parabéns e os votos de que a revista continue tendo longa vida na contribuição inegável que traz às velhas e novas gerações com informações e valores.  E oxalá que o Absoluta de seu batismo continue significando, como tem significado na sua trajetória, plenitude, diversidade e grau máximo de intensidade, marca das salutares paixões de seus protagonistas, no caso, bem resolvidas em nosso benefício. Grande abraço
Jamil Miguel 

Na matéria da revista Absoluta, em que Isabelle Sabbatini escreveu o texto sobre Egas Francisco, tive uma certeza: ela compreendeu um gênio !!!!!!
As suas palavras descrevem Egas como alguém "que inspira mansidão, acolhimento, ousadia e loucura". Esta é a síntese da genialidade de quem suplanta todas as expectativas de ser apenas um igual e abraça com ousadia e coragem as suas próprias contradições para construir um novo caminho. Pessoas que extrapolam os conceitos vulgares de simplesmente existir e, assim, atingem a genialidade. Pessoas que tornam menos sombria a condição humana, porque elas tem a criatividade e a força de espírito maior do que a maioria das pessoas integradas no contexto do existir comum.
Parabéns, Isabelle !!! Amei a matéria !!!! Bjs
Anna Maria Badaró, artista plástica

Mensagem